Home   |    Mapa do site
Logomarca MeiaPonte.Org
Parceiros



Poemas e Poesias
home > Poemas e Poesias >
 

Meu rio desce!

Por Wolney Tavares - União Brasileira de Escritores de Goiás

Lá vai meu remanso
Correndo chão a baixo
Brota das trilhas em pindoramas
Tuas cristalinas águas mil!

Desce ribeirinhas léguas
Ponte e meia, dito em reverso
Alcunhas das bandeiras vindas
Do senil Bueno dos Bartolomeus

Corre caudaloso e sereno...
Pra terras amenas do “meio sul”
Do norte surge, e vem desaguando
Pra divisa das “minas dos gerais”

É, o meu Rio Meia Ponte
Tão nobre, nas tuas ribeiras de Goiás
Mesmo que tu não vejas em alpestre
Esse rio doce, também corre em mim.

Nascendo coração viril
Do outeiro dos Brandões
Comuna promissora de Itauçu,
Rincão fidalgo do meu Goiás!



Oh! Rio Meia Ponte

Por José Wellington Marciano de Souza    -  11 anos

O Rio Meia Ponte era um amor

Mas ninguém lhe deu valor

O Rio que era limpinho e cheiroso

Agora se tornou um fedor

Oh!

Rio Meia Ponte como dava gosto te ver

Agora é o local onde se joga esgoto

Oh, Rio onde brincava muitas crianças

Agora se encontra tanto lixo

Era o Rio onde podia banhar, nadar, lavar roupa e beber água

Agora não pode mais nada

Oh, Rio onde o peixe era o sustento

Quem fazia isso, já não faz há muito tempo

Era o Rio onde se via gaivotas planando para pegar peixes

Agora se vê moscas e urubus voando

Era o Rio em que os moradores viam capivaras nadando

Agora só vê vasos, garrafas e muitos lixos em suas margens rolando…

Oh, Rio tu ainda tens vida

Nós vamos te salvar


 

 

 

   


O conteúdo deste site é publicado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 2.5. Brasil.
A reprodução dos textos é livre, desde que citada a fonte e o autor.

Produzido por