Home   |    Mapa do site
Logomarca MeiaPonte.Org
Parceiros



TAGS
Notícias
Home > Notícias > Leitura de Notícia
Tamanho do texto: A- A+

09/04/10 - MP pede que Unilever deixe de lançar resíduos em fazenda de particular utilizados indevidamente pelo proprietário

Promotora do MP recomendou a Amma que interdite as atividades de disposição de lodo proveniente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Unilever

Fonte: Ministério Público Estadual de Goiás

A promotora de Justiça Marta Moriya Loyola recomendou à Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) que interdite as atividades de disposição de lodo proveniente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Unilever, que é feita diretamente no solo da área de pastagem da Fazenda Paraíso, na GO-442, km 8, na zona urbana de Goiânia, de propriedade de particular e utilizada por este irregularmente.

Vistoria conjunta realizada no local por vários órgãos de defesa ambiental constatou que o lodo resultante da estação de tratamento da Unilever é depositado em área particular, próxima ao Córrego Capivara, afluente do Rio Meia Ponte (clique aqui para ver as fotos) e que, no local, há pelo menos 300 porcos que são alimentados com subprodutos vindos da ETE da empresa. Marta Moriya acrescenta que os dejetos gerados pelos animais não recebem qualquer tratamento e que há uma captação de água nas proximidades da criação para irrigação de hortaliças.

Amostras da alimentação e da água subterrânea fornecida aos porcos mostraram que seus parâmetros não atendem à legislação ambiental e podem resultar em danos à saúde e degradação do meio ambiente. Diante disso, o MP pede que o proprietário da fazenda suspenda a alimentação fornecida a partir do reaproveitamento irregular dos resíduos da empresa, bem como deixe de usar água subterrânea para uso dos animais. Quanto à Unilever, pede-se a interrupção da disposição do lodo proveniente da estação de tratamento e a cassação do licenciamento para tal atividade. (Cristiani Honório /Assessoria de Comunicação Social – Fotos: arquivo 15ª Promotoria)

Fotos :



Comentários



Mais notícias

 

   


O conteúdo deste site é publicado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 2.5. Brasil.
A reprodução dos textos é livre, desde que citada a fonte e o autor.

Produzido por www.alicom.com.br

* Todos os campos,com exceção da mensagem,são obrigatórios

MP pede que Unilever deixe de lançar resíduos em fazenda de particular utilizados indevidamente pelo proprietário

Promotora do MP recomendou a Amma que interdite as atividades de disposição de lodo proveniente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Unilever

Por Ministério Público Estadual de Goiás

A promotora de Justiça Marta Moriya Loyola recomendou à Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) que interdite as atividades de disposição de lodo proveniente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Unilever, que é feita diretamente no solo da área de pastagem da Fazenda Paraíso, na GO-442, km 8, na zona urbana de Goiânia, de propriedade de particular e utilizada por este irregularmente.

Vistoria conjunta realizada no local por vários órgãos de defesa ambiental constatou que o lodo resultante da estação de tratamento da Unilever é depositado em área particular, próxima ao Córrego Capivara, afluente do Rio Meia Ponte (clique aqui para ver as fotos) e que, no local, há pelo menos 300 porcos que são alimentados com subprodutos vindos da ETE da empresa. Marta Moriya acrescenta que os dejetos gerados pelos animais não recebem qualquer tratamento e que há uma captação de água nas proximidades da criação para irrigação de hortaliças.

Amostras da alimentação e da água subterrânea fornecida aos porcos mostraram que seus parâmetros não atendem à legislação ambiental e podem resultar em danos à saúde e degradação do meio ambiente. Diante disso, o MP pede que o proprietário da fazenda suspenda a alimentação fornecida a partir do reaproveitamento irregular dos resíduos da empresa, bem como deixe de usar água subterrânea para uso dos animais. Quanto à Unilever, pede-se a interrupção da disposição do lodo proveniente da estação de tratamento e a cassação do licenciamento para tal atividade. (Cristiani Honório /Assessoria de Comunicação Social – Fotos: arquivo 15ª Promotoria)

* Todos os campos são obrigatórios