Home   |    Mapa do site
Parceiros


TAGS
Notícias
Home > Notícias > Leitura de Notícia
Tamanho do texto: A- A+

05/01/10 - Um outro Meia Ponte em Rochedo

Não precisamos ir muito longe para encontramos uma realidade bem diferente do rio Meia Ponte

Fonte: MeiaPonte.Org

No último sábado, dia 02 de Janeiro, a equipe do portal MeiaPonte.Org visitou o distrito de Rochedo, localizado a cerca de 90 quilômetros de Goiânia, no trecho que fica nas margens da BR-153 e da usina de mesmo nome, importante trecho do rio Meia Ponte que poucas pessoas conhecem. Felizmente a visita nos causou boas impressões.

No local percebemos que o rio não apresenta o odor característico que exala na região metropolitana de Goiânia. Alguns dados fornecidos pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH) demonstram que a água do Meia Ponte após a usina de Rochedo apresenta-se na classificação nível 2 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), o que representa que as suas águas podem ser utilizadas inclusive para prática de atividades como natação, mergulho, aquicultura e pesca.

Ao longo do percurso até a chegada à usina o rio se auto-depura e o lago representa uma etapa final de tratamento de suas águas, funcionando como um reator biológico, decantando a matéria orgânica que passa a servir de alimento para os peixes e plantas aquáticas. Um sinal de que suas águas no trecho realmente estão boas é a grande quantidade de pescadores que encontramos por lá. Eles  se amontoavam nos mais diversos lugares, sobre a ponte, canoas, barcos a motor, pedras ou onde a imaginação permitia, Nem todos veêm com bons olhos essa atividade pesqueira pelo fato de existirem algumas pessoas que praticam a pesca predatória na região, prática esta que pode vir a comprometer a quantidade de peixes no rio. Famílias inteiras se reúnem no local e fazem acampamento vindas dos mais diferentes lugares. No local também é possível saborear do pescado fresco do Meia Ponte nos bares e restaurantes da região.

Mesmo com tantas coisas boas, notamos que ainda há muito o que se fazer em defesa do Rio Meia Ponte na região. Há muito lixo flutuante que vem principalmente de Goiânia e se acumula na vegetação das margens do lago. São garrafas pet, embalagens de produtos de limpeza, bolas diversas, sandálias e tênis, formando uma espécie de lixão flutuante. A presença destes resíduos demonstra a falta de consciência ambiental e de educação de uma grande parcela da população que reside na bacia do rio Meia Ponte.

Descobrimos também que ainda é desconhecida a destinação do lixo em Rochedo e que a coleta também é deficiente. A atividade agropecuária no município de Piracanjuba, do qual faz parte o distrito de Rochedo, também é grande. As matas ciliares dão lugar a imensas pastagens reduzindo esta a um punhado de árvores espalhadas, expondo o solo a erosões e elevando a quantidade de terra que desce para o leito do rio. E como resultado desta ação é possível notar o assoreamento do rio, que além de aumentar o risco de inundações, colabora para a diminuição da fauna aquática da região. É uma pena que o rio não esteja conservado em toda sua extensão, já que fosse todo limpo, poderia se tornar uma ótima fonte de alimentos e de lazer.

Fotos :



Comentários



Mais notícias

 

   


O conteúdo deste site é publicado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 2.5. Brasil.
A reprodução dos textos é livre, desde que citada a fonte e o autor.


* Todos os campos,com exceção da mensagem,são obrigatórios

Um outro Meia Ponte em Rochedo

Não precisamos ir muito longe para encontramos uma realidade bem diferente do rio Meia Ponte

Por MeiaPonte.Org

No último sábado, dia 02 de Janeiro, a equipe do portal MeiaPonte.Org visitou o distrito de Rochedo, localizado a cerca de 90 quilômetros de Goiânia, no trecho que fica nas margens da BR-153 e da usina de mesmo nome, importante trecho do rio Meia Ponte que poucas pessoas conhecem. Felizmente a visita nos causou boas impressões.

No local percebemos que o rio não apresenta o odor característico que exala na região metropolitana de Goiânia. Alguns dados fornecidos pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH) demonstram que a água do Meia Ponte após a usina de Rochedo apresenta-se na classificação nível 2 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), o que representa que as suas águas podem ser utilizadas inclusive para prática de atividades como natação, mergulho, aquicultura e pesca.

Ao longo do percurso até a chegada à usina o rio se auto-depura e o lago representa uma etapa final de tratamento de suas águas, funcionando como um reator biológico, decantando a matéria orgânica que passa a servir de alimento para os peixes e plantas aquáticas. Um sinal de que suas águas no trecho realmente estão boas é a grande quantidade de pescadores que encontramos por lá. Eles  se amontoavam nos mais diversos lugares, sobre a ponte, canoas, barcos a motor, pedras ou onde a imaginação permitia, Nem todos veêm com bons olhos essa atividade pesqueira pelo fato de existirem algumas pessoas que praticam a pesca predatória na região, prática esta que pode vir a comprometer a quantidade de peixes no rio. Famílias inteiras se reúnem no local e fazem acampamento vindas dos mais diferentes lugares. No local também é possível saborear do pescado fresco do Meia Ponte nos bares e restaurantes da região.

Mesmo com tantas coisas boas, notamos que ainda há muito o que se fazer em defesa do Rio Meia Ponte na região. Há muito lixo flutuante que vem principalmente de Goiânia e se acumula na vegetação das margens do lago. São garrafas pet, embalagens de produtos de limpeza, bolas diversas, sandálias e tênis, formando uma espécie de lixão flutuante. A presença destes resíduos demonstra a falta de consciência ambiental e de educação de uma grande parcela da população que reside na bacia do rio Meia Ponte.

Descobrimos também que ainda é desconhecida a destinação do lixo em Rochedo e que a coleta também é deficiente. A atividade agropecuária no município de Piracanjuba, do qual faz parte o distrito de Rochedo, também é grande. As matas ciliares dão lugar a imensas pastagens reduzindo esta a um punhado de árvores espalhadas, expondo o solo a erosões e elevando a quantidade de terra que desce para o leito do rio. E como resultado desta ação é possível notar o assoreamento do rio, que além de aumentar o risco de inundações, colabora para a diminuição da fauna aquática da região. É uma pena que o rio não esteja conservado em toda sua extensão, já que fosse todo limpo, poderia se tornar uma ótima fonte de alimentos e de lazer.

* Todos os campos são obrigatórios